Perfil sociodemográfico e clínico de crianças com estomia atendidas em um serviço de referência, Belém-PA

Regina Ribeiro Cunha, Pérola Dias Bezerra, Izabela do Socorro Martins Pinto, Edson Marcos Leal Soares Ramos, Cassilene Oliveira da Silva, Sandra Regina Monteiro Ferreira


Este estudo teve como objetivo caracterizar o perfil sociodemográfico e clínico de crianças com estomia atendidas em um serviço de referência no Estado do Pará, Brasil. Trata-se de um estudo retrospectivo de análise documental, transversal, descritivo, com abordagem quantitativa. Os dados foram coletados em outubro de 2013, analisados e apresentados em frequência absoluta e relativa. Identificaram-se 96 prontuários de crianças com estomia. A maior frequência de crianças com estomia é do sexo masculino, compreendidas na faixa etária de 0-3 anos, sem escolaridade, pois não estão em idade escolar, residentes no interior do estado do Pará, cujos pais possuíam renda familiar entre 1-3 salários mínimos. Com relação às características clínicas, foi evidenciada a malformação congênita como a causa geradora de estomia de maior prevalência. A maioria das crianças apresentavam colostomia, terminal, duas bocas próximas, temporária, localizada no quadrante inferior esquerdo, com diâmetro entre 20-29mm. O prolapso e a dermatite foram as principais complicações relacionadas à estomia e pele periestomia.


Full Text:

PDF    

References


Santos VLCG, Cesaretti IUR. Assistência em estomaterapia: cuidando de pessoas com estomia. 2a ed. São Paulo: Atheneu; 2015.

Brasil. Estatuto da criança e do adolescente (ECA). Lei 8. 069 de 13 de julho de 1990. 3a Edição. Brasília. Câmara dos deputados. Coordenação de publicações, 2001.

Brasil. Decreto Nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília, DF, 2004.

Brasil. Presidência da República. Lei Nº 13.146, de 6 de Julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF, 6 de julho de 2015. [acesso 20 nov 2015]. Disponível em: .

Luz MHBA, Andrade DS, Amaral HO, et al. Caracterização dos pacientes submetidos a estomas intestinais em um hospital público de Teresina-PI. Texto Contexto Enfermagem. 2009; 18(1): 140-146.

Martins PAF, Alvim NAT. Perspectiva educativa do cuidado de enfermagem sobre a manutenção da estomia de eliminação. Rev. Bras. de Enfermagem. 2010; 64(2): 322-327.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 793, de 24 de abril de 2012. Institui a Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no âmbito do Sistema Único de Saúde, Brasília, 2012.

Monteiro SNC, Kamada I, Silva AL, et al. Perfil de Crianças e Adolescentes Estomizados Atendidos de um Hospital Público do Distrito Federal. Revista Estima. 2014; 12(3): 23-32.

Guerrero S, Tobos LS. Quem são os usuários do Programa Cuidado Integral à Criança e ao Adolescente Ostomizado. Rev. Avanços em Enfermagem. 2005; 23(2): 18-26.

Pereira SSS, Quito MV. NOAS: houve impacto para o SUS?. Revista de Direito Sanitário. 2004; 5(1): 40-54.

Silva AC, Silva GNS, Cunha RR. Caracterização de pessoas estomizadas atendidas em consulta de enfermagem do Serviço de Estomaterapia do Município de Belém-PA. Rev. Estima. 2012; 10(1): 12-19.

Estados Brasileiros Distrito Federal. [acesso 20 nov 2015] Disponível em: .

Brasil. Ministério da saúde. Regionalização da Assistência à Saúde: aprofundando a descentralização com equidade no acesso: Norma Operacional da Assistência à Saúde: NOAS-SUS 01/02 e Portaria MS/GM n.º 373, de 27 de fevereiro de 2002 e regulamentação complementar. Brasília, DF, 2002.

Pontes APM, Cesso RGD, Oliveira DC, Gomes AMT. Facilidades de acesso reveladas

pelos usuários do Sistema Único de Saúde. Rev. Brasileira de Enfermagem. 2010; 63(4): 574-80.

Rodrigues LS, Lima RHS, Costa LC, Lucena RF. Características das crianças nascidas com malformações congênitas no município de São Luís, Maranhão, 2002-2011. Epidemiol. Serv. Saúde. 2014; 23(2): :295-304.

Mendes CQS, Avena MJ, Mandetta MA, Ballieiro MMFG. Prevalência de nascidos vivos com anomalias congênitas no município de São Paulo. Rev. Soc. Bras. Enferm. Ped. 2015; 15(1): 7-12.

Amiel J, Lyonnet S. Hirschprung disease, associated syndromes, and genetics: a review. J Med. Genet. 2001; 38(11):729-739.

Kayo CMM, et al. Cuidando de crianças com estomia. “In”: Santos VLCG, Cesaretti IUR. Assistência em estomaterapia: cuidando de pessoas com estomia. 2a ed. São Paulo: Atheneu; 2015. p. 205-242.

Rocha RFC, Velhote MCP. Estomias na criança. “In”: Santos VLCG, Cesaretti IUR. Assistência em estomaterapia: cuidando de pessoas com estomia. 2a ed. São Paulo: Atheneu; 2015. p. 63 -74.

Aguiar ESS, Santos AAR, Soares MJGO, Ancelmo MNS, Santos SR. Complicações do Estoma e Pele Periestoma em Pacientes com Estomas Intestinais. Rev Estima. 2011: 9(2): 22-30.

Santos, CHM, Bezerra MM, Bezerra FMM, Paraguassú BR. Perfil do paciente ostomizado e complicações relacionadas ao estoma. Rev. Bras. Coloproctol. 2007; 27(1):16-19.

ROCHA, J.J.R. Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais. Medicina Ribeirão Preto. 2011;44(1): 51-56.

Cunha RR, Backes VMS, Ferreira, AB. Características Sócio- Demográficas e Clínicas de Pessoas Estomizadas: Revisão de Literatura. Revista Estima. 2013; 11(2): 29-35.

Paula, MA, Paula PR, Cesarretti IUR. Estomaterapia em Foco e Cuidado Especializado. São Caetano do Sul, SP: Yendis Editora, 2014.

Poletto D, Gonçalves MI, Barros MTT, et al. A criança com estoma intestinal e sua família: implicações para o cuidado de enfermagem. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2011; 20(2): 31-39.




DOI: http://dx.doi.org/10.5327/Z1806-3144201700040005

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


SOBEST - Associação Brasileira de Estomaterapia: Estomias, Feridas e Incontinências
Rua Antônio de Godoi, n 35. Sala 102, Centro
CEP 01034-000
São Paulo/SP