Artigo Original 1

Authors

  • Isabel Umbelina Ribeiro Cesaretti Isabel Umbelina Ribeiro Cesaretti: Enfermeira Estomaterapeuta (TiSOBEST). Professora do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo. Doutora e Mestre pela UNIFESP.
  • Vera Lúcia Conceição de Gouveia Santos Vera Lúcia Conceição de Gouveia Santos: Enfermeira Estomaterapeuta (TiSOBEST). Professora Associada da Escola de Enfermagem da USP. Livre Docente, Doutora e Mestre pela EEUSP.
  • Roberta de Souza Roberta de Souza: Mestre em estatística pela UNICAMP - Universidade de Campinas. Bacharel em matemática aplicada e computacional - UNICAMP.
  • Lucila Amaral Carneiro Vianna Roberta de Souza: Mestre em estatística pela UNICAMP - Universidade de Campinas. Bacharel em matemática aplicada e computacional - UNICAMP.

Abstract

Confiabilidade e Validade do WHOQOLabreviado para Pessoas Colostomizadas, com e sem uso de Métodos de Controle Intestinal


ResumoA ausência de instrumentos específicos para avaliar a qualidade de vida (QV) de pessoas estomizadas, adaptados e validados em nosso meio, motivou a realização deste estudo que objetivou analisar a confiabilidade e validade concorrente do World Health Organization Quality of Life – abreviado (WHOQOL-abreviado), quando aplicado em pessoas colostomizadas, que usam e não usam métodos de controle intestinal (MCI). O estudo secundário, do tipo metodológico, foi desenvolvido com amostra de 100 pessoas colostomizadas: 50 que usavam ambos métodos, irrigação e sistema oclusor e 50 que não os utilizavam, em um ambulatório especializado de um hospital público da cidade de São Paulo. Visto que o objetivo do estudo original era avaliar a QV desses pacientes, o instrumento usado foi o WHOQOL-abreviado. A coleta de dados ocorreu após a aprovação do projeto pelos Comitês de Ética em Pesquisa da universidade e hospital. A consistência interna do instrumento foi analisada por meio do coeficiente Alfa de Cronbach e a validade pelo coeficiente de Correlação de Pearson. Obtiveram-se coeficientes Alfa de Cronbach e”0,70, tanto para os Domínios (Físico = 0,85; Psicológico = 0,81; Relações Sociais = 0,70; Meio Ambiente = 0,74) como para a Qualidade de Vida Geral (0,76); e coeficientes de correlação, de moderada a forte intensidade, entre os escores médios dos domínios e da Qualidade de Vida Geral, tanto para os grupos em conjunto como em separado (p< 0,0001). Em conclusão, o WHOQoL-abreviado mostrou-se confiável e válido para medir a qualidade de vida de pessoas colostomizadas, com e sem o uso de MCI.Descritores:Estudos de Validação. Colostomia. Qualidade de Vida.AbstractThe motivation for this study was the lack of instruments specifically designed, adapted and validated for Brazil to evaluate the Quality of Life of persons with an ostomy. Therefore, our objective was to analyze the reliability (internal consistency) and concurrent validity of the WHOQOL-BREF used to evaluate the QOL of individuals with colostomy using and not using bowel control methods (BCM). This was a secondary methodological study carried out at a specialized outpatient clinic of a public hospital in the city of São Paulo, Brazil. The sample consisted of 100 persons with colostomy of which 50 used continence control methods (irrigation and plug system), and the other 50 did not use any BMC. WHOQOL-BREF was the instrument chosen to evaluate the QOL of these persons. This study was approved by the Research and Ethics Committees of the university and hospital. The internal consistency and the concurrent validity of the instrument were analyzed using the Cronbach´s alpha coefficient and the Pearson´s correlation coefficient, respectively. For the domains (Physical = 0.85; Psychological = 0.81; Social Relationshops = 0.70; and Environment = 0.74) and general QOL (0.76) the Cronbach’ alpha coefficient was 0.7. It was found that there were moderate and strong correlations between the domains and the general QOL for both groups and the total sample (p<0.0001). In conclusion, WHOQOL-BREF demonstrated to be a reliable and valid instrument to measure QOL of persons with colostomy using and not using BCM.Descriptors:Validation Studies. Colostomy. Quality of Life.IntroduçãoA preocupação em avaliar a qualidade de vida (QV) impulsionou o desenvolvimento de instrumentos de medida, desde a década de 1980. Paralelamente, aumentou progressivamente o número de pesquisas, principalmente na área da saúde, visando à obtenção de dados quantitativos sobre esse construto e, com isso, a avaliação do impacto exercido pelos tratamentos na QV das pessoas, em especial, daquelas com doenças crônicas1-5. Essas têm possibilitado, portanto, conhecer as tendências de bem-estar e nível de saúde das populações e amostras investigadas e oferecer subsídios para que essas condições possam ser melhoradas4,6.Com a proliferação dos instrumentos de medida, tem sido grande o interesse dos pesquisadores em traduzi-los, adaptá-los e aplicálos a outras culturas. Nesse sentido, alguns autores divergem quanto ao significado da adaptação cultural desses instrumentos, considerando que há a possibilidade de os conceitos incorporados ou envolvidos com a QV não serem vinculados à nova cultura, enquanto outros acreditam na existência de um universo cultural de QV1,4-5. Para os últimos, todas as pessoas devem estar integradas e aptas física, emocional e socialmente, para exercerem suas funções, independente do país, da cultura e da época1, em que estão vivendo.Os instrumentos de avaliação têm características genéricas e específicas. Os genéricos são aplicados para mensurar a QV geral de pessoas da população geral, sadias ou com algum tipo de doença, ou que estejam submetendo-se a algum tipo de tratamento, pois avaliam diversos aspectos das áreas física, social e emocional7-8. São exemplos: Índice de Qualidade de Vida de Ferrans & Powers, WHOQOL-100 e WHOQOL-abreviado. Os instrumentos específicos são utilizados para medir a QV de pessoas com condições específicas (WHOQOL-old para idosos; WHOQOL módulo espiritualidade). Esta classificação também se aplica aos instrumentos utilizados na avaliação da qualidade de vida relacionada à saúde. Assim, temos os perfis de saúde, como o SF-36 e o Nothingham Health Profile; e os específicos que têm a vantagem de serem mais sensíveis à população estudada (Disabkids para crianças) e de investigar aspectos específicos da condição clínica em questão, tais como determinada doença ou síndrome (King´s Health Questionnaire para incontinência urinária em mulheres; EORTC para pessoas com câncer). Destaca-se que, independente das características, o instrumento selecionado como forma de medida deve estar calibrado para atender ao objetivo proposto9. Assim, o instrumento possui algumas propriedades de medidas cujos valores podem apresentar variações segundo a população estudada, o momento e a forma de aplicação e outras variáveis mais. Dentre essas propriedades destacam-se a confiabilidade e a validade, que são o objeto deste estudo.A confiabilidade é definida como o grau de coerência e precisão com que determinado instrumento mede o atributo que se está propondo a medir10. Um dos tipos de confiabilidade é a consistência interna, definida como a extensão com que todos os itens de um instrumento medem a mesma variável, ou seja, todos os itens devem ser consistentes com o construto que está sendo investigado11. Já a validade refere-se à extensão com a qual determinado instrumento realiza ou não a medida proposta8,12-15. São três os principais tipos de medidas de validade: de conteúdo (aparente e amostral), de construto ou construtiva e de critério (concorrente e preditiva)8,12-13,16-17. Neste estudo, foi avaliada a validade de critério concorrente, ou seja o “grau de correlação de duas medidas do mesmo conceito administradas ao mesmo tempo”11,14.A falta de instrumentos específicos para avaliação da QV de pacientes estomizados, adaptados para o Brasil ou mesmo aqui desenvolvidos, tem levado os pesquisadores brasileiros à utilização de instrumentos genéricos em seus estudos como, por exemplo, a Escala de Qualidade de Vida de Flanagan18 e o WHOQOLabreviado19- 20. Sendo o WHOQOL um instrumento internacionalmente conhecido, com propriedades de medida atestados em diferentes grupos populacionais e de saúde, inclusive no Brasil, desenvolveu-se este estudo.ObjetivoAnalisar as medidas psicométricas do WHOQOL-abreviado – confiabilidade e validade de critério concorrente – quando aplicado em pessoas colostomizadas, que utilizam ou não utilizam os métodos de controle intestinal (irrigação e sistema oclusor de colostomia).MétodoO estudo secundário, do tipo metodológico, foi desenvolvido utilizando-se os dados da tese de doutorado de Cesaretti20, ainda não publicada. O estudo original foi desenvolvido em um hospital público da cidade de São Paulo, após aprovação dos Comitês de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Processo CEP n0 0472/05) e da instituição (Processo CEP n0 413). A amostra foi composta de 100 pessoas colostomizadas, distribuídas em dois grupos, que usavam os dois métodos de controle intestinal (50 com MCI) e que não usavam qualquer um dos métodos (50 sem MCI), comparados quanto à sua QV. As amostras foram pareadas por sexo.Os pacientes cadastrados no Serviço Ambulatorial de Atenção Especializada ao Estomizado, da instituição, após serem selecionados e que aceitaram participar do estudo, foram entrevistados em sala de consulta privativa no próprio hospital.O instrumento empregado para a avaliação de QV, WHOQOL – abreviado, é composto de 26 itens, 24 dos quais distribuídos em 24 facetas e 4 domínios: Físico (DF), Psicológico (DP), Relações Sociais (DRS) e Meio Ambiente (DMA). Dos 26 itens, dois destinam-se à percepção sobre a Qualidade de Vida e Saúde Geral e não estão incluídos nos escores dos Domínios1,21-22. Para as respostas, são utilizados 4 tipos de escalas de intervalo (tipo Lickert, com pontuação de 1 a 5), projetados e testados para refletir intensidade, capacidade, frequência e avaliação1,21,23.Na análise estatística, a consistência interna (confiabilidade) do WHOQOL-abreviado foi analisada usando o Coeficiente Alfa de Cronbach, considerando-se adequado o valor e”0,70; e a validade concorrente, por meio do Coeficiente de Correlação de Pearson, cuja magnitude, quando estatisticamente significante, foi classificada em: fraca < 0,30; moderada = 0,30 a 0,60; forte = 0,60 a 0,99 e perfeita = 1,0012.ResultadosA amostra foi composta predominantemente por mulheres (58%), em ambos grupos, dado o pareamento estabelecido; 68% estavam na faixa etária acima de 65 anos de idade, sendo as médias de 55,4±13,1 para as pessoas do Grupo com MCI (variação de 28 a 83 anos) e de 54,7±12,6 para o Grupo sem MCI (variação de 34 a 79 anos). Quanto à escolaridade, o nível fundamental concentrou o maior percentual de pessoas em ambos os Grupos (63%), predominando a religião católica, também em ambos os grupos (66% e 58%, respectivamente para os grupos com e sem MCI). Setenta e um por cento das pessoas possuíam companheiro, estando 66% no grupo com MCI e 74% sem MCI; e 42% e 38% das pessoas, respectivamente com e sem MCI possuíam vínculo empregatício, enquanto 28% e 38%, respectivamente, estavam aposentadas. Os grupos não diferiram significativamente quanto às variáveis sócio-demográficas e clínicas, exceto para tempos de colostomizado e de acompanhamento no Serviço, maior para as pessoas do grupo com MCI (p<0,001).As tabelas 1 e 2 contêm os resultados relativos a confiabilidade e validade do instrumento para a população-alvo.Os resultados da Tabela 1 mostram que o instrumento mostrou consistência interna, tanto para os itens e domínios como para QV geral, ao obterem valores de alfa de Cronbach bastante satisfatórios.Os resultados da Tabela 2 mostram correlações positivas, com magnitude de moderada a forte, estatisticamente significantes entre os Domínios e a QV Geral, tanto para os gruposDiscussãoA busca constante de melhor QV para as pessoas colostomizadas passou por inúmeras alternativas, ao longo da história, tendo como principal objetivo minimizar o impacto negativo da perda incontinente de fezes e gases pela colostomia e do uso do equipamento coletor sobre sua imagem corporal e autoestima. Ambos os aspectos são comprometedores de todas as esferas de seu estilo de vida e, consequentemente, de sua QV. Assim, os MCI destacam-se como recursos de importância capital na minimização desse impacto, porque possibilitam a essas pessoas conseguir a “continência” intermitente da colostomia, o que faz com que o seu estilo de vida atual se aproxime muito daquele que tinham anteriormente à cirurgia, contribuindo sobremaneira para a melhoria de sua QV20,24.O instrumento de avaliação da qualidade de vida utilizado neste estudo - WHOQOLabreviado - mostrou-se confiável e válido ao serem atestadas sua consistência interna, como medida de confiabilidade adotada, e validade de critério concorrente para uso em pessoas colostomizadas com e sem MCI. O instrumento de avaliação da qualidade de vida utilizado neste estudo - WHOQOLabreviado - mostrou-se confiável e válido ao serem atestadas sua consistência interna, como medida de confiabilidade adotada, e validade de critério concorrente para uso em pessoas colostomizadas com e sem MCI.Em estudo sobre o desenvolvimento do WHOQOL-abreviado em versão e aplicação no Brasil 21, os autores já destacaram que o seu desempenho psicométrico, associado à praticidade de seu uso, torna-o ferramenta útil para utilização No único estudo nacional em que também se empregou o WHOQOL-abreviado para a avaliação da QV de 48 pacientes sobreviventes de câncer colo-retal, com e sem estoma 19, as autoras obtiveram coeficientes Alfa de Cronbach que variaram de 0,60 a 0,91 para as facetas e os domínios, separados e em conjunto. O estudo também atestou a validade de critério concorrente ao constatar correlações estatisticamente significativas e de forte magnitude entre os escores dos domínios e a Qualidade de Vida Geral.Os achados do presente estudo assemelham-se aos obtidos por Fleck et AL 21, em amostra de 300 pessoas, 50 saudáveis e 250 com alguma doença, no processo de desenvolvimento da versão abreviada para o Brasil. Valores de Alfa de Cronbach de 0,69 a 0,91, para os domínios e itens, também confirmaram a consistência interna do instrumento. Mais uma vez, a validade concorrente também foi atestada quando os autores obtiveram correlações estatisticamente significativas e de forte magnitude entre os escores dos domínios e a Qualidade de Vida Geral.Outros estudos nacionais e internacionais, abordando diferentes grupos populacionais, encontraram resultados semelhantes. Skevington, Lotfy e O’Connell23, objetivando avaliar as propriedades psicométricas e os resultados da aplicação do WHOQOL-abreviado com 11.830 entrevistados, oriundos de 23 países (incluindo o Brasil), obtiveram valores de Alfa de Cronbach de 0,68 a 0,82 para o total da amostra, sendo considerados aceitáveis e subsidiando a validação cultural do instrumento. E, em outro estudo25 semelhante aos anteriores, também com amostra significativa de 13.010 pessoas, divididas em dois grupos (saudáveis e com algum problema de saúde), os autores verificaram valores de 0,70 a 0,77 para os quatro domínios. Variação de 0,66 a 0,80 foi obtida entre pacientes psiquiátricos26. Coeficientes Alfa de Cronbach superiores foram verificados em dois estudos. No primeiro, tailandês27, com 689 homens idosos, os valores variaram de 0,82 a 0,86; e no segundo28, o instrumento mostrou valores de 0,78 a 0,89, em 36 homens alcoolistas. Esses resultados são indicativos do potencial desse instrumento para medir a qualidade relacionada à saúde, bem como indicador para o monitorar a qualidade vida da população27.Destaca-se que, em alguns dos estudos citados23,25-27, os autores avaliaram outros tipos de validade, discriminante, de construto e/ou de conteúdo.Apesar da escassez de estudos específicos sobre a confiabilidade e validade do WHOQOL-abreviado para uso em pessoas estomizadas, não só no Brasil como no exterior, foi possível avaliar seu desempenho métrico amostra. Esse procedimento deveria constituir uma regra em qualquer estudo de avaliação de QV, utilizando-se instrumentos adaptados, mesmo já validados em nosso meio. O processo de validação de um instrumento, principalmente quando se trata de avaliação de medida psico-social, é contínuo, uma vez que não é uma característica do instrumento, mas da população em que é aplicado. Portanto, recomendase avaliar, pelo menos, uma propriedade de medida (de confiabilidade e/ou de validade) do instrumento utilizado para a população alvo do estudo29.ConclusãoOs valores obtidos pelo Coeficiente Alfa de Cronbach e Coeficiente de Correlação de Pearson indicam que WHOQOL-abreviado mostrou-se confiável e válido para medir a QV de pessoas colostomizadas, com e sem o uso de MCI.

Downloads

Download data is not yet available.

References

Organização Mundial de Saúde. Divisão de Saúde Mental. Grupo WHOQOL. Grupo de Estudos em Qualidade de Vida. Versão em português dos instrumentos de avaliação de qualidade de vida (WHOQOL): 1998. Coordenação de Marcelo Pio de Almeida Fleck. [Texto na Internet]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 1998. [citado 2006 Nov 9]. Disponível em http://www.ufrgs/psiq/whoqol1.html

Fleck MPA, Leal OF, Louzada S, et al. Desenvolvimento da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da OMS (WHOQOL-100). Rev Bras Psiquiatria. 1999; 21 (1): 19-28.

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, et al. Aplicação da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100). Rev Saúde Pública. 1999; 33 (2): 198-205.

Santos VLCG, Kimura M. Qualidade de vida e reabilitação do ostomizado. In: Santos VLCG, Cesaretti IUR, org. Assistência de enfermagem em Estomaterapia: cuidando do ostomizado. São Paulo: Atheneu; 2000. p. 453-75.

Litvoc J, Kimura M, Santos VLCG. Qualidade de vida e avaliação em saúde. In: Cianciarullo TI, Silva GTR, Cunha ICKO. Uma nova estratégia em foco: o Programa de Saúde da Família – identificando as suas características no cenário do SUS. São Paulo:Ícone Editora; 2005. p.287-318.

Burckhardt C. Quality of life compendium. Universitetet i Bergen. Institutt for samfunnsmedisensfe. [Text on the Internet]. Bergen; 2000. [Cited 2006 Nov 10]. Available from: http://www.uib.no/isf/people/doc/ gol/comp0002.htm

Blay LS, Merlin MS. Desenho e metodologia de pesquisa em qualidade de vida. In: Diniz DP, Schor N, org. Guias de medicina ambulatorial e hospitalar UNIFESP – Escola Paulista de Medicina: Qualidade de vida. São Paulo: Manole; 2006. cap. 3, p. 19-30

Duarte PS, Ciconelli RM. Instrumentos para a avaliação da qualidade de vida: genéricos e específicos. In: Diniz DP, Schor N, org. Guias de Medicina ambulatorial e hospitalar UNIFESP – Escola Paulista de Medicina: Qualidade de vida. São Paulo: Manole; 2006. p. 11-8

. 9. Neil Aaronson, Jordi Alonso, Audrey Burnam, Kathleen N.Lohr, Donald L.Patrick, Edward Perrin, Ruth E.K. Stein. Assessing health status and quality-of-life instruments: Attributes and review Criteria. Qual Life Res.2002; 11:193– 205.

Waltz CF, Strickland OL, Lenz ER. Measurement in nursing research. 2a ed. Philadelphia: David Company; 1991.

Nieswiadomy RM. Foundations of nursing research. 2a ed. Stamford: Appleton & Lange; 1998.

Nunnaly J, Bernstein IH. Psychometric theory. New York: McGraw-Hill; 1994.

McDowell I, Newell C. Measuring health. A guide to rating scales and questionnaires. 2nd ed. New York: Oxford University Press; 1996.

LoBiondo-Wood G, Haber J. Pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação crítica e utilização. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan SA; 2001. p. 186-99.

Beaglehole R, Bonita R, Kjellström T. Epidemiologia básica. 2ª ed. São Paulo: Santos Livraria Editora; 2001. 19. Michelone APC, Santos VLCG. Qualidade de vida de adultos com câncer colorretal com e sem ostomia. RevLatinoam Enfermagem. 2004;12(6):875-83.

Bowling A. Measuring health: a review of quality of life measurement scales. 2th ed. Buckingham: Open University Press; 1997. p. 11-5.

Hulley SB, Martin JN, Cummings SR. Planejando as medições: precisão e acurácia. In: Hulley SB, Cummings SR., Browner WS et al. Delineando a pesquisa clínica: uma abordagem epidemiológica. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2003. p. 53-68.

Hashimoto H, Guedes SL, Pereira VC, Santos VLCG, Kimura M, Sousa Jr AHS. O ostomizado e a qualidade de vida: abordagem fundamentada nas dimensões propostas por Flanagan. [Resumo] Rev Bras Colo-Proct 1996; 16 supl 1: 74.1.

Michelone APC, Santos VLCG. Qualidade de vida de adultos com câncer colorretal com e sem ostomia. Rev Latino-am Enfermagem. 2004;12(6):875-83.

Cesaretti IUR. Qualidade de vida de pessoas colostomizadas, com e sem o uso de métodos de controle intestinal. [tese]. São Paulo (SP): Escola Paulista de Enfermagem / Departamento de Enfermagem / UNIFESP; 2008.

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, et al. Aplicação da versão em português do instrumento de avaliação abreviado de qualidade de vida WHOQoL-bref. Rev Saúde Pública. 2000; 34 (2): 178-83.

Harper A, Power M. WHOQoL Group. Development of the World Health Organization WHOQoL-bref quality of Life Assessment. Psychol Med. 1998; 28: 178-83.

Skevington SM, Lotfy M, O’Connell KA. The World Heath Organization’s WHOQoLbref quality of life assessment: psychometric properties and results of the international field trial. A report from the WHOQoL Group. Qual Life Res. 2004; 13: 299-310.

Santos VLCG, Cesaretti IUR, Ribeiro AM. Métodos de “controle” intestinal em ostomizados: auto-irrigação e sistema oclusor. In: Santos VLCG, Cesaretti IUR. Assistência em estomaterapia: cuidando do ostomizado. 1ed. São Paulo: Atheneu; 2000. Pp. 245-62.

Grace Yao, Chia-buei Wu. Factorial invariance of the WHOQoL-bref among disease groups. QLR. 2005; 14: 1881-8.

Trompenaars FJ et al. Content validity, construct validity, and reliability of the WHOQoL-bref in a population of Dutch adult psychiatric outpatients. Qual Life Res. 2005; 14: 151-60. 27. Senyeong K et al. WHOQoL-bref as predictors of mortality: a two years followup study at veteran homes. QLR. 2005; 14: 1443-54.

Lima ASBS, Fleck MPA, Pechansky F et al. Psychometric properties of the World Health Organization Quality of Life instrument (WHOQOl-bref) in alcoholic males: a pilot study. Qual Life Res. 2005; 14: 473-8. 29. Polit DF, Benck CT, Hungler BP. Fundamentos de Pesquisa em Enfermagem: métodos, avaliação e utilização. 5ª ED. Porto Alegre: Artmed 2004; 487p.

Published

2016-03-23

How to Cite

1.
Cesaretti IUR, Santos VLC de G, Souza R de, Vianna LAC. Artigo Original 1. ESTIMA [Internet]. 2016 Mar. 23 [cited 2022 Aug. 16];7(3). Available from: https://www.revistaestima.com.br/estima/article/view/51

Issue

Section

Article

Most read articles by the same author(s)

<< < 1 2 3 4 > >>