Resumo de Tese 2

Authors

  • Rita de Cássia Domansky
  • Vera Lúcia Conceição de Gouveia Santos Orientadora

Abstract

Avaliação do Hábito Intestinal e Fatores de Risco para Incontinência Anal na População Geral


Este estudo teve por objetivo avaliar o hábito intestinal e os fatores de risco para incontinência anal (IA) em adultos da população geral, residentes na área urbana da cidade de Londrina - PR. Estudo epidemiológico de base populacional, de corte transversal, realizado após a aprovação do Comitê de Ética da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. Dois mil cento e sessenta e dois indivíduos, com idade igual ou superior a 18 anos, condições físicas e mentais adequadas e que aceitaram a participar do estudo, compuseram a amostra, estabelecida a partir de amostragem estratificada por conglomerado, constituídos pelas ruas sorteadas aleatoriamente dentro dos 390 setores censitários do município. Todos os residentes nos domicílios das ruas sorteadas, que atenderam aos critérios de inclusão foram entrevistados utilizando- se dois instrumentos: Dados demográficos e o Bowel function in the community (adaptado e validado para a língua portuguesa por Domansky e Santos, 2007). Os dados foram submetidos aos testes de Qui- Quadrado e Exato de Fischer. O predomínio foi do sexo feminino (1203 / 56%); média etária de 40,6±16,4; brancos (1591/74%); união estável (1290 / 60%); 9 a 12 anos de estudo (784/ 36%); 37% pessoas sem ocupação definida; 44% tinham remuneração entre 2 e 3,9 SM; 38% com renda per capita entre 0,6 a 1 salário mínimo. Para o padrão intestinal normal (1.875/87%; p<,0001), predominância de uma evacuação por dia (1.133/ 52%; p<0,0001), entre as mulheres (968/52%; p<0,0001); os brancos (1591/85%; p<0,0001), ausência de esforço evacuatório (1956/90%), exonerações de fezes macias (1379/64%), esvaziamento retal completo (1938/90%). Padrão intestinal constipado (261/12,1%), entre mulheres (219/84%), esforço evacuatório (99/41,8%), fezes endurecidas (176/67%); esvaziamento retal incompleto (99/38%). Padrão intestinal diarréico (26/1,2%), sem esforço evacuatório (26/100%) fezes líquidas e amolecidas (5/19%), esvaziamento retal completo (16/61%). A prevalência das doenças anorretais, foi de 53 (2%) abscessos, 22 (1%) fístulas, 81 (3%) fissuras, 20(1%) prolapsos retais, 30 (1%) traumas anais; 229 (11%) doença hemorroidária, 58 (3%) cirurgias anorretais, para todas o predomínio foi feminino. O histórico de parto e ginecológico: 886 (74%) tiveram partos, 709 (73%) com padrão intestinal normal; 432 (49%) entre 31 e 50 anos; 168 (14%) tiveram um parto normal; destas 33 (3%) tiveram laceração anal pós-parto que necessitou de intervenção cirúrgica; porém mantiveram o padrão intestinal normal (25/75%); 109 (9%) fizeram histerectomia (109 /9%), 90 (90%) padrão intestinal normal e menos de um por cento tiveram retocele e quatro (50%) eram constipadas. Os fatores de risco para incontinência anal: 35 (2%) radioterapia pélvica, 133 (6%) diabetes melitus, 330 (15%) doenças ou distúrbios do sistema nervoso, 291 (13%) lesão na coluna espinhal e 29 (1%) relataram o acidente vascular encefálico (AVE), para todos os fatores houve predomínio do padrão intestinal normal, predomínio feminino para distúrbios do sistema nervoso e AVE. Este estudo permitiu conhecer o hábito intestinal da população geral de uma cidade no norte do Paraná, os fatores de risco para IA que estão expostos, cooperando para a elucidação do tema entre a população, ampliando os conhecimentos daqueles que atuam na área, e colaborando para o desenvolvimento de programas de prevenção ou diagnóstico precoce das doenças intestinais.

Downloads

Download data is not yet available.

Published

2009-03-01

How to Cite

1.
Domansky R de C, Santos VLC de G. Resumo de Tese 2. ESTIMA [Internet]. 2009 Mar. 1 [cited 2024 Apr. 17];7(1). Available from: https://www.revistaestima.com.br/estima/article/view/251

Issue

Section

Article

Most read articles by the same author(s)

1 2 3 4 > >>