The context of homeless people who live with ostomies

Authors

Abstract

Objective: To understand the context experienced by homeless people, with ostomies, in a municipality in southern Brazil. Method: A qualitative ethnographic study, whose sample consisted of four individuals. Data collection took place from May to June 2022. Participant observation, field diary, data from medical records, and interviews were used. Results: Regarding the participants’ profile, the majority are young adults, male, and drug users. All participants had children and received government assistance. The average duration of living with an ostomy was two years and the primary reason was gunshot wounds. The aim was to understand the characteristics and health conditions of these individuals, viewed within the context of the Brazilian healthcare system and the way services are organized to provide care. Conclusion: It was found that in addition to the vulnerability of being homeless, their life context leads to social and mental consequences, and the invisibility of these individuals within society and the healthcare network is remarkable.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Rosaura Soares Paczek, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Porto Alegre (RS), Brasil.

Enfermeira especialista em Estomaterapia, titulada pela Sobest, especialista em Gestão Hospitalar e Docência do Ensino Superior. Mestra em Saúde Coletiva pela UFRGS. Presidente da seção Sobest RS gestão 2019-2021 e 2021-2023. Enfermeira do Serviço de Estomaterapia da prefeitura Municipal de Porto Alegre. Membro da Sobest e WCET.

Erica Rosalba Mallmann Duarte, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Porto Alegre (RS), Brasil.

Professora Titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Escola de Enfermagem. Possui Graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1976), Especialização em Administração Hospitalar -IACHS (1977), Graduação em Licenciatura em Enfermagem pela Universidade Federal de Minas Gerais (1981), Mestrado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1995) e Doutorado em Engenharia da Produção - UFRGS Escola de Engenharia da Produção (2009). Professora da área de Administração de Serviços de Enfermagem e Saúde e de Empreendedorismo em Saúde na graduação e orientadora de Estágio Curricular na Rede da Atenção Básica. Professora da Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Coordenadora do Comitê de Ética do HMD. Pesquisadora na área de Gestão em Enfermagem e Saúde Coletiva.

Gabrielli de Oliveira Lima, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Porto Alegre (RS), Brasil.

Enfermeira graduada pela UFRGS.

Rafaela Linck Davi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Porto Alegre (RS), Brasil.

Enfermeira graduada pela UFRGS

Rita de Cassia Domansky, Universidade Estadual de Londrina, Hospital Universitário – Londrina (PR), Brasil.

Graduada em Enfermagem e Obstetrícia pelo Centro de Estudos Superiores de Londrina (1984), atual UNIFIL. Especialista em Estomaterapia: estomias, feridas e incontinências pela USP/SP (1998) e em Gestão Pública Hospitalar, pela Escola de Governo do Paraná/UEL (2010). Mestre em Enfermagem (2005) e Doutora em Enfermagem (2009), ambos em Enfermagem na Saúde do Adulto, pela Escola de Enfermagem da USP/SP. Atuou como enfermeira estomaterapeuta, coordenando o Serviço de Estomaterapia do Hospital Universitário da Universidade Estadual de Londrina (HU-UEL), onde também é colaboradora da divisão de educação e pesquisa. Responsável pelo ambulatório do Serviço de Referencia para os Pacientes com Estoma para a área de abangencia da 17ª Regional de Saúde do Paraná. Atualmente é assessora técnica de planejamento, controle e qualidade da diretoria superintendente do HU-UEL. É coordenadora adjunta e docente no curso de especialização enfermagem em estomaterapia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), e professora-colaboradora em outros cursos de estomaterapia no Brasil. Está como membro do conselho científico da Associação Brasileira de Estomaterapia (SOBEST), gestão 2018-2020, da qual foi diretora de desenvolvimento profissional na gestão 2015-17. Membro Titulado da SOBEST, Membro Pleno do WCET e Membro Associado da WOCN. É organizadora do Manual para prevenção de lesões de pele:recomendações baseadas em evidências, que encontra-se na sua 2ª edição. Suas atividades concentram-se nos seguintes temas: estomaterapia: estomias, feridas, incontinência, principalmente relacionados a prevenção; elaboração de protocolos; qualidade de vida e gestão pública

References

Melo GN, Meireles DS, Araújo CS, Santos MS. Autoimagem de mulheres portadoras de colostomia e os cuidados dermatológicos periestoma: revisão integrativa. Braz J Health Review 2021;4(1):991-1001. https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-087

Bandeira LR, Kolankiewicz ACB, Alievi MF, Trindade LF, Loro MM. Atenção integral fragmentada a pessoa estomizada na rede de atenção à saúde. Esc Anna Nery 2020;24(3):e20190297. https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2019-0297

Sirimarco MT, Moraes BHX, Oliveira DRLS, Oliveira AG, Schlinz PAF. Trinta anos do serviço de atenção à saúde da pessoa ostomizada de Juiz de Fora e região. Rev Col Bras Cir 2021;48:e20202644. https://doi.org/10.1590/010. 0-6991e-20202644

Sicari AA, Zanella AV. Pessoas em situação de rua no Brasil: revisão sistemática. Psicol Ciênc Prof 2018;38(4):662-79. https://doi.org/10.1590/1982-3703003292017

Vale AR, Vecchia MD. O cuidado à saúde de pessoas em situação de rua: possibilidades e desafios. Estud Psicol (Natal) 2019;24(1):42-51. https://doi.org/10.22491/1678-4669.20190005

Honorato BEF, Oliveira ACS. População em situação de rua e COVID 19. Rev Adm Pública 2020;54(4):1064-78. https://doi.org/10.1590/0034-761220200268

Souza LPS. História de vida de pessoas ostomizadas em situação de rua atendidas pelo Centro de Reabilitação Adulto em município do nordeste brasileiro [dissertação]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Escola de Saúde, Programa de Pós-Graduação em Saúde e Sociedade; 2020.

Ataídes FB, Oliveira GS, Silva AAF. A etnografia: uma perspectiva metodológica de investigação qualitativa. Cadernos da Fucamp 2021;20(48):133-47.

Prefeitura de Porto Alegre. Consultório na rua [Internet]. [citado 2023 Mar. 25]. Disponível em: https://prefeitura.poa.br/carta-de-servicos/consultorio-na-rua

Ribeiro WA, Fassarella BPA, Neves KC, Oliveira RLA, Cirino HP, Santos JAM. Estomias intestinais: do contexto histórico ao cotidiano do paciente estomizado. Revista Pró-Universus 2019;10(2):59-63. https://doi.org/10.21727/rpu.v10i2.2019

Ferreira EC, Barbosa MH, Sonobe HM, Barichello E. Self-esteem and health-related quality of life in ostomized patients. Rev Bras Enferm 2017; 70(2): 271-8. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0161

Carmo LA, Góis JS. Não há mentiras nem verdades aqui: revisão narrativa sobre a população brasileira em situação de rua. Sanare 2021;20(2):79-87. https://doi.org/10.36925/sanare.v20i2.1450

Laura C, Cruz AD, Salles MM, Perillo RD, Torres LM, Almeida SP. Cuidados primários em saúde na atenção à população em situação de rua. Revista de Atenção à Saúde 2021;19(67):234-50. https://doi.org/10.13037/ras.vol19n67.6691

Donoso MTV, Bastos MAR, Faria CR, Costa AA. Estudo etnográfico sobre pessoas em situação de rua em um grande centro urbano. REME Rev Min Enferm 2013;17(4):894-901. https://doi.org/10.5935/1415-2762.20130065

Valle FAAL, Farah BF, Carneiro Junior N. As vivências na rua que interferem na saúde: perspectiva da população em situação de rua. Saúde Debate 2020;44(124):182-92. https://doi.org/10.1590/0103-1104202012413

Paula HC, Daher DV, Koopmans FF, Faria MGA, Brandão PS, Scoralick GBF. Implementation of the Street Outreach Office in the perspective of health care. Rev Bras Enferm 2018;71(suppl 6):3010-5. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0616

Governo do Estado do Espírito Santo. Secretaria de Estado de Saúde. Manual de orientação aos serviços de atenção às pessoas ostomizadas [Internet]. Vitória: SES; 2016 [citado 2023 Mar. 23]. Disponível em: https://saude.es.gov.br/Media/sesa/Consulta%20P%C3%BAblica/Manual%20ostomi zados%202016%201.pdf

Prado MAR, Gonçalves M, Silva SS, Oliveira OS, Santos KS, Fortuna. Pessoas em situação de rua: aspectos sobre a saúde e experiências com serviços sanitários. Rev Bras Enferm 2021;74(1):e20190200. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2019-0200

Rio Grande do Sul. Secretaria de Estado da Saúde. Companhia de Processamento de Dados do Estado do Rio Grande do Sul (PROCERGS). Gerenciamento de usuários com deficiência: números de pessoas cadastradas. Porto Alegre: SES, 2017.

van Wijk LB, Mângia EF. Atenção psicossocial e o cuidado em saúde à população em situação de rua: uma revisão integrativa. Ciênc Saúde Coletiva 2019;24(9):3357-68. https://doi.org/10.1590/1413-81232018249.29872017

Spadoni L, Machado Júnior CP, Barroso LHM, Boni AL, Faria MRGV, Souza SMB. Perfil de drogadição e práticas sociais entre moradores de rua. Psicol Saber Soc 2017;6(1):113-28. https://doi.org/10.12957/psi.saber.soc.2017.30670

Håkanson C, Öhlen J. Illness narratives of people who are homeless. Int J Qual Stud Health Well-being 2016;11:32924. https://doi.org/10.3402/qhw.v11.32924

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Rua: aprendendo a contar – pesquisa nacional sobre a população em situação de rua [Internet]. Brasília: MDS; 2009 [citado 2023 Mar. 27]. Disponível em: https://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Livros/Rua_aprendendo_a_contar.pdf

Published

2024-05-10

How to Cite

1.
Paczek RS, Duarte ERM, Lima G de O, Davi RL, Domansky R de C. The context of homeless people who live with ostomies. ESTIMA [Internet]. 2024 May 10 [cited 2024 Jul. 25];22. Available from: https://www.revistaestima.com.br/estima/article/view/1445

Issue

Section

Original article