ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ATENÇÃO À SAÚDE DA PESSOA ESTOMIZADA: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS EM MINAS GERAIS, BRASIL

Ravena Rieelly Araujo Moura, Eliete Albano de Azevedo Guimarães, Juliano Teixeira Moraes


Introdução:A organização da atenção à saúde da pessoa estomizada no Brasil vem sendo reestruturada com base em um modelo de rede de cuidados, regionalizada e hierarquizada, de forma a garantir a integralidade do cuidado. O Serviço de Atenção à Saúde das Pessoas Ostomizadas (SASPO) foi implantado após a publicação da Portaria SAS/MS n° 400, de 16 de novembro de 2009, com o propósito de prestar atendimento à pessoa estomizada e sua família, visando à recuperação física e alcance da sua reabilitação. Na RegiãoOeste do estado de Minas Gerais, os SASPO (tipo I e II) foram implantados em 2012 e, ainda, não se sabe sobre as condições e os efeitos desses serviços na qualidade do cuidado aosestomizados.
Objetivo: O estudo propôs avaliar os SASPO do tipo I, da região Oeste de Minas Gerais.Metodologia:Estudo de casos múltiplos que analisou a implantação de todos os cinco SASPO tipo I da região Oeste de Minas Gerais, em 2016. A pesquisa recebeu aprovação do Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Federal São João Del Rei sob o parecer nº1.251.725. Procedeu-se a coleta de dados por meio de documentos, observação direta e questionário estruturado. Para a estimativa do grau de implantação dos SASPO utilizou-se uma matriz de análise, com três componentes: gerenciamento do serviço, assistência clínica e assistência educacional. O GI foi definido, por meio de um sistema de escores, com pesos diferenciados para cada critério, sendo classificado como: implantação plena, satisfatória, incipiente e não implantado.
Resultados:Apenas um SASPO atingiu o grau de implantação plena, seguido de três serviços com implantação satisfatória e um classificado como não implantado. Destacou-se a importância do profissional enfermeiro estomaterapeuta na organização dos serviços, que mantêm atividades centradas na dispensação e estocagem dos dispositivos em detrimento de um cuidado integral. Identificou-se escassez de consultas com o profissional médico e com o assistente social, deficiência nos grupos de apoio e nas atividades de educação em saúde, e falta de estabelecimento de fluxos e mecanismos de referência e contrarreferência. Faltam profissionais, protocolos clínicos e organizacionais, equipamentos e instalações físicas adequadas. A reavaliação dos estomizados, atualização dos cadastros e fornecimento de coletores estiveram presentes em todos os SASPO.
Conclusões:
A avaliação gerou informações úteis que podem contribuir na organização dos SASPO regionais, que não estão implantados na sua totalidade.Problemas foram evidenciados no gerenciamento do serviço, na assistência clínica e, principalmente na assistência educacional.Constatou-se que os SASPO I estão prestando mais assistência clínica que educacional, a equipe multiprofissional  não  está consolidada e que funcionam, ainda, em  uma  estrutura inadequada. Oestudo oferece, portanto, subsídios para gestores de saúde municipais, regionais e do estado,afim de buscar estratégias que possam fortalecer a construção de um serviço de qualidade com vistas na reabilitação do estomizado.

Keywords


AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

Full Text:

PDF    


DOI: http://dx.doi.org/10.5327/Z1806-3144201700040011

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


SOBEST - Associação Brasileira de Estomaterapia: Estomias, Feridas e Incontinências
Rua Antônio de Godoi, n 35. Sala 102, Centro
CEP 01034-000
São Paulo/SP