Revisão - Revisão Integrativa da Utilização de Cateteres Externos em Pacientes com Incontinência Urinária

Iraktânia Vitorino Diniz, Candice Cavalcanti de Albuquerque, Suellen Duarte de Oliveira Matos, Ana Claudia Lima, Maria Júlia Guimarães Oliveira Soares


Objetivos: A incontinência urinária acarreta sérias complicações nas pessoas, porque as priva de muitas atividades sociais e interfere, de forma significativa, em sua qualidade de vida. Este trabalho tem o objetivo descrever a utilização de cateteres externos em pacientes com incontinência urinária, pois se percebe a utilização demasiada do cateter de permanência, o que acarreta uma serie de problemas para o paciente e, em alguns casos, agravos de sua saúde devido a infecções constantes e a outras complicações. A pesquisa bibliográfica foi realizada em bases de dados on-line, como Lilacs, Medline e ScieELO, nos últimos cinco anos. Os descritores empregados na pesquisa foram os termos incontinência urinária e cateteres. No período estabelecido, foram identificados 167 artigos que continham esses descritores, mas nenhum deles estava relacionado ao uso de cateteres externos. Por isso, considera-se relevante revisar essa temática e desenvolver conhecimentos acerca desses dispositivos através de novas pesquisas. Em revisão bibliográfica em artigos não indexados e outros tipo de publicações, pode-se referir que os cateteres são muito importantes para os pacientes com incontinência urinária.
Descritores: Incontinencia urinária. Cateteres. Revisão.
Abstract
Objectives: Urinary incontinence causes serious problems by depriving patients from many social activities and significantly interfering with their quality of life. The aim of this study was to describe the use of external catheters in patients with urinary incontinence because the excessive use of an indwelling catheter causes a number of problems for the patient and, in some cases, health impairment due to constant infections and complications. A literature search of the Lilacs, Medline and ScieELO databases for articles published in the last five years was conducted using the descriptors urinary incontinence and catheters. Within the search period, 167 articles were found containing these descriptors, but none of them was related to the use of external catheters. Therefore, it is important to review this topic and acquire knowledge about these devices through new research. A review of non-indexed articles and other publications has indicated that catheters are very important in the management of patients with urinary incontinence.
Descriptors: Urinary incontinence. Catheters. Review.
Resumen
Objetivos: La incontinencia urinaria causa serias complicaciones en las personas porque las priva de muchas actividades sociales e interfiere de manera significativa en su calidad de vida. Tuvo como objetivo describir la utilización de catéteres externos en pacientes con incontinencia urinaria debido a que se percibe un excesivo uso de catéteres de permanencia, los cuales traen una serie de problemas para el paciente, y en algunos casos, agrava su salud debido a las constantes infecciones y otras complicaciones. Se realizó una búsqueda bibliográfica en las bases de datos como: Lilacs, Medline y ScieELO, dentro de los últimos cinco años. Los descriptores utilizados en la investigación fueron los términos: incontinencia urinaria y catéteres. En el período establecido se identificaron 167 artículos que contenían esos descriptores, pero ninguno estaba relacionado al uso de catéteres externos. Por eso se considera relevante revisar esta temática y desarrollar el conocimiento de estos dispositivos a través de nuevas investigaciones. Asimismo, en una revisión bibliográfica de artículos no indexados y otros tipos de publicaciones se puede señalar que los catéteres son muy importantes para los pacientes con incontinencia urinaria.
Palabras clave:Incontinencia urinaria. Catéteres. Revisión.
Introdução
A incontinência urinária (IU) traz para as pessoas repercussões físicas e sociais na forma como se manifesta 1. Segundo a Sociedade Internacional de Continência — International Continence Society (ICS), a incontinência urinária é uma perda involuntária de urina, que representa um problema social e de higiene e compromete a qualidade de vida (QV) do ser 2.
A disfunção vesical pode ser definida como uma alteração funcional que ocorre durante a fase de enchimento ou de esvaziamento da bexiga e, geralmente, está relacionada a lesões neurológicas, como o traumatismo raquimedular. Com o comprometimento da função vesical, poderá permanecer na bexiga um volume de urina considerado anormal, denominado resíduo pósmiccional. Essa urina, em repouso, predispõe ao aparecimento de infecções, de formação de cálculos e da dilatação do trato urinário superior. Isso pode levar, até, à perda da função renal3.
Sabe-se que a infecção do trato urinário (ITU) é responsável por uma faixa de 35 a 45% de todas as infecções adquiridas no hospital, das quais mais de 10% são expostas temporariamente à cateterização vesical de demora, além outros fatores. Pode-se concluir que o fator isolado mais importante que predispõe esses pacientes à infecção é a utilização do cateter vesical de demora 4,5. Segundo os mesmos autores, essa incidência - infecção do trato urinário relacionado à cateterização vesical de demora - tem relação direta com a duração da cateterização.
Um dos instrumentos mais utilizados na prática médica é o cateter uretral, que é indicado em várias situações, como o alívio de retenção urinária e monitorização da diurese em pacientes graves. Todavia, tem sido apontado como o principal fator de risco para o desenvolvimento de ITU, assim como a duração da cateterização, a suscetibilidade individual do paciente, a idade avançada e os cuidados de manuseio desse cateter6.
A infecção urinária é a complicação mais comum da disfunção vesico-esfincteriana, e a deterioração renal, a mais grave. Elas são resultado de estase urinária residual com aumento da pressão vesical para as vias urinárias superiores, o que favorece as infecções urinárias e o desenvolvimento de refluxo vesicoureteral com futura deterioração renal. A urolitíase também é uma complicação decorrente da estase urinária. Além disso, ocorre perda de urina contínua, com odor desagradável, que provoca lesões de pele e constrangimento social, o que afeta a qualidade de vida do paciente7.
A introdução do cateter e sua permanência são fatores de risco para infecção do trato urinário, pois o cateter permite acesso dos microorganismos por inoculação direta durante a inserção, migração intraluminal ou pela mucosa periuretral. Sua permanência na bexiga permite o crescimento bacteriano contínuo e a persistência de sedimento urinário vesical, levando à destruição de algumas defesas naturais por dano epitelial e dificuldade de drenagem vesical7.
Portanto, a utilização demasiada do cateter de permanência por pessoas com incontinência urinária pode acarretar uma série de problemas para o paciente e, em alguns casos, agravos de sua saúde, devido a infecções constantes e outras complicações, como obstruções, formação de falsos trajetos, presença de dor e desconforto uretral. Por isso,o cateter externoé uma opção de cuidados para esses pacientesem substituição ao cateterismo de demora, quando indicadopara substituiras fraldas e para pacientes sem resíduo miccional, ou seja, para os quais não foi indicado o cateterismo intermitente.
Ademais, o cateterismo vesical intermitente é um procedimento de técnica limpa, que consiste em se inserir um cateter lubrificado pela uretra, diariamente, com horários pré-estabelecidos, e removê-lo após a drenagem urinária. É uma intervenção efetiva para prevenir e tratar complicações8.
Cateteres externos são dispositivos utilizados somente por homens. São preservativos masculinos colocados em volta do pênis, com uma abertura na extremidade por onde a urina é drenada. Esses dispositivos são utilizados com frequência e encontrados com medidas variáveis, de material hipoalergênico no formato autoadesivo. São indicados para indivíduos que perdem urina e usam fraldas descartáveis, visando minimizar o aparecimento de úlceras por pressão devido ao contato da urina com a pele. Com esse dispositivo, também é possível controlar a diurese e evitar a utilização do cateter de demora que, em muitos casos, é desnecessário.
O objetivo deste trabalho foi de realizar uma pesquisa bibliográfica em bases de dados online sobre a utilização de cateteres externos em pacientes com incontinência urinária.
Métodos
Trata-se de uma revisão integrativa da literatura realizada nas Bases de Dados LILACS (Literatura Latinoamericana e do Caribe em Ciências da Saúde), Medline (Sistema Online de Busca e Análise de Literatura Médica) e Scielo (Biblioteca Científica Eletrônica em Linha), com utilização dos descritores “incontinência urinária” e “cateteres” e seus respectivos termos em inglês “Urinary incontinence”and “catheters”.
A revisão integrativa possibilita elaborar uma síntese do conhecimento acerca de determinado assunto, além de apontar lacunas existentes. É um método valioso, pois lista e relaciona as publicações existentes a respeito de um tema9. Esse tipo de estudo visa agrupar, analisar e sintetizar os resultados de pesquisa, com subsídios para aprofundar os conhecimentos sobre a temática proposta.
Para guiar o estudo, formulou-se a seguinte questão norteadora: Como cuidar das pessoas que têm incontinência urinária, mas não apresentam resíduos pós-miccional? Nessa perspectiva, surgiu a necessidade de pesquisar outras formas de se controlar a urina nesses pacientes, buscando um método não invasivo e seguro, que seria a utilização do cateter externo.
Os critérios de inclusão estabelecidos foram: artigos originais disponíveis nas bases de dados selecionadas, no período compreendido entre 1993 e 2013, que não tenham indicação para realizar cateterismo intermitente limpo, uso de fraldas e que utilizem métodos de controle de urina. Os critérios de exclusão focaram-se nos estudos que não respondessem ao nosso questionamento e aqueles identificados em mais de uma base de dados.
O procedimento para a coleta dos dados foi feito por meio eletrônico, com busca nas bases de dados investigadas, nos meses de julho e agosto de 2013, utilizando-se os descritores, critérios de inclusão e exclusão. Primeiramente, esta pesquisa foi projetada de acordo com as seguintes etapas: elaboração da pergunta de pesquisa; definição do objeto de estudo; definição da estratégia de busca nas bases de dados e seleção inicial de estudos. Também foi elaborado um protocolo de pesquisa, de acordo com o qual os artigos foram buscados nas bases de dados. Foram excluídos os editoriais de periódicos, além dos artigos que se repetiam no conjunto da amostra pesquisada. Optou-se, ainda, por não incluir monografias, dissertações e teses, uma vez que a busca sistemática delas é inviável. Seguindo esses limites e critérios, foi realizada a leitura do resumo de cada artigo, verificando sua pertinência em relação a este estudo.
Realizada a busca on-line, foram identificados 167 artigos que continham os descritores estabelecidos, e a amostra final dessa revisão integrativa foi constituída de sete artigos.
Os dados foram digitados e analisados em planilhas do Microsoft Excel 2007, utilizandose de estatística descritiva, e apresentados sob a forma de tabela, para que o leitor compreendesse bem mais a revisão integrativa avaliada.
Resultados
No período estabelecido, foram identificados 167 artigos que continham os descritores ‘incontinência urinária’ e ‘cateteres’, mas nenhum desses artigos estava relacionado ao uso de cateteres externos, apenas os sete descritos na tabela. Por isso, considera-se relevante revisar essa temática e desenvolver conhecimentos acerca desses dispositivos através de novas pesquisas. Em revisão bibliográfica de artigos não indexados e outros tipos de publicações, pode-se referir que o uso dos cateteres é sobremaneira importante para os pacientes com incontinência urinária, visto que, em muitas situações, poderão substituir o cateter de Foley, minimizar as infecções e ser utilizados para substituir a fralda descartável e prevenir o aparecimento da dermatite e/ou da úlcera por pressão, devido à umidade frequente e à acidez da urina.
Os cateteres externos são dispositivos utilizados somente por homens, como preservativos masculinos colocados em volta do pênis, com uma abertura na extremidade por onde a urina é drenada. Dentre os tipos de cateteres externos, encontra-se um novo dispositivo que substitui o cateter externo convencional, pois é autoadesivo, portanto, não precisam ser fixados com esparadrapo, que pode ocasionar edemas, traumas e lesões penianas além de trocas ERsetvuisdãoo Clínico frequentes do dispositivo. A utilização dos cateteres externos é um procedimento não invasivo e capaz de propiciar controle adequado da diurese. Sabese que a infecção do trato urinário (ITU) é responsável por uma faixa de 35 a 45% de todas as infecções adquiridas no hospital, dos quais mais de 10% são expostos temporariamente à cateterização vesical de demora. Entre outros fatores, pode-se concluir que esse é o fator isolado mais importante que predispõe esses pacientes à infecção é a utilização do cateter vesical de demora5.
Discussão
Os estudos mais atuais, referentes aos últimos sete anos, aplicaram a metodologia do estudo de caso controle, ou seja, com abordagem retrospectiva. Em 2013, nenhum artigo foi encontrado abordando os descritores ‘incontinência urinária’ e ‘cateter externo’; em 2012, um artigo de jornal em inglês, porém se refere a acidente por cateter puxado, resultando em uma lesão. Em 2011, um estudo que teve como objetivo determinar as relações entre o método de gestão da continência urinária e as complicações médicas associadas ressalta que o cateterismo de demora está associado a mais complicações médicas, como úlceras de pressão, hospitalizações mais longas e menores níveis de participação do que outros métodos de gerenciamento da bexiga, como o cateter externo tipo Condom e o cateterismo intermitente.
tabela08
Estudos mais recentes sobre cateterismo intermitente – tanto relatos de experiência quanto pesquisas direta ou indireta - são considerados pelas evidências em pesquisas nacionais, como o padrão ouro na reeducação da bexiga neurogênica8. Em 2008, o estudo que teve como objetivo avaliar o uso de dispositivos de coleta de urina (cateteres externos, cateter intermitente, cateteres de demora, fraldas ou absorventes) e examinar os fatores preditores para cateteres em Instalações de Enfermagem Especializadas demonstrou que o cateterismo intermitente e os cateteres externos foram usados com pouca frequência e que os residentes do sexo masculino foram mais propensos a usar um cateter de demora. Dois estudos chamam a atenção: um Ensaio Clínico, publicado em 2000, demonstra desempenho superior do cateter externo tipo Condom (ECC) de silicone sobre o de látex, após teste biomecânico in vivo e estudo clínico piloto; outro Ensaio Clínico, publicado em 1993, apresenta para a comunidade científica que se tem desenvolvido cateter de urina externo para mulheres que adere entre os lábios para circular a uretra. O artigo apresenta apenas os objetivos do projeto em desenvolvimento, a saber: (1) examinar o dispositivo para ajustar e conter a urina, mantera integridade da pele vulvar e o conforto e (2) descrever as mudanças microorgânicas para urina, tecido periuretral e vaginalem mulheres usando o dispositivo.
Considerações Finais
Apesar da importância do tema como medida de suporte para a incontinência urinária, poucos estudos foram publicados em periódicos indexados em bases de dados. Os poucos publicados nas últimas duas décadas apresentam importantes resultados, mas muitas considerações e questionamentos ainda permeiam a assistência dos pacientes incontinentes e o uso de cateteres externos. Considerando a relevância dessa temática, assim como o desenvolvimento de conhecimentos acerca desses dispositivos, através de novas pesquisas, espera-se que esses resultados possam nortear os profissionais para um despertar de novas pesquisas e possibilitar aos pacientes com incontinência urinária opções para o método de controle de urina com menos riscos de complicação e infecção. Nesta análise, o presente estudo encontrou dificuldade, principalmente, por causa da falta de estudos nacionais com abordagem voltada para a população brasileira.

References


Honório MO, Santos SMA. A rede de apoio ao paciente incontinente: a busca por suporte e tratamentos. Rev. Enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010;18(3):383-8.

Abrams P et al. The standardisation of terminology in lower urinary tract function: report from the standardisation subcommittee of the international continence society, 2003.

Romero CH. Análise ultra-sonográfica das vias urinárias pré e pós autocateterismo vesical em pacientes com lesão medular. Dissertação (Mestrado). Pontifícia Universidade Católica, Curitiba, 2008.

Stamm AMNF, Coutinho MSSA. Infecção do trato urinário relacionada ao cateter vesical de demora: incidência e fatores de risco. Rev Ass Med Brasil. 1999;45(1): 27-33.

Souza Neto, JL et al. Infecção do trato urinário relacionada com a utilização do cateter vesical de demora: resultados da bacteriúria e da microbiota estudadas. Rev Col Bras Cir. 2008;35(1). Disponível em: http://www.scielo.br/rcbc. Acesso em: 02 Ago. 2013.

Stamm AMNF, Forti DY, Sakamoto KS, Campos ML, Cipriano ZM. Cateterização vesical e infecção do trato urinário: estudo de 1.092 casos. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2006;35(2):72-77.

Polita et al. Bexiga neurogênica e o cateterismo vesical intermitente Rev Enferm UFPE online. 2010;4(2):889-93.

Assis GM, Faro ACM. Autocateterismo vesical intermitente na lesão medular. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(1):289-93.

Severino AJ. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez; 2002.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


SOBEST - Associação Brasileira de Estomaterapia: Estomias, Feridas e Incontinências
Rua Antônio de Godoi, n 35. Sala 102, Centro
CEP 01034-000
São Paulo/SP