Resumo de tese 2

Emília Maria Paulina Campos Chayamiti


Prevalência de Úlcera por Pressão em Pacientes em Assistência Domiciliária em um Distrito de Saúde de Ribeirão Preto

A ocorrência de úlcera por pressão (UPP) nos pacientes atendidos nos serviços de saúde é um problema significante, tanto para os indivíduos como para os familiares e instituições do mundo todo. Os pacientes com restrição de mobilidade são os que têm maior risco. A assistência domiciliária pode contribuir com o atendimento humanizado na promoção da saúde e prevenção da doença, assim como para orientar e acompanhar os cuidadores domiciliares no atendimento das necessidades dos pacientes com condições crônicas que estão sujeitos a complicações como a UPP. Este estudo é do tipo descritivo e quantitativo e teve como objetivos identificar nos pacientes em assistência domiciliária em um Distrito de Saúde as características sóciodemográficas e clínicas; o escore de risco para a UPP pela escala de Braden; a prevalência de pacientes com UPP; as características da lesão e as medidas utilizadas para prevenção e tratamento. A população foi de 47 pacientes, com 76,7% na faixa etária de 60 a 80 anos, 51% do sexo feminino, 42,5% casados, 85% de cor branca; predominância de escolaridade no nível fundamental 1 incompleto; 48,9% recebiam entre 3 a 5 salários mínimos; 91,5% pacientes eram dependentes de cuidadores. As morbidades mais freqüentes foram as doenças do sistema circulatório (63,8%) e do sistema nervoso (48,9%). Para 48,9% dos pacientes a restrição da mobilidade ocorreu em decorrência da própria doença. O escore médio da Escala de Braden foi 17, mínimo 10 e máximo 23, e os idosos tinham escores mais baixos. Nove pacientes tinham UPP (prevalência 19,1%). A localização anatômica de maior freqüência foi a região do trocânter do fêmur (29,4%) e a região dos calcâneos (23,5%). Quanto a classificação das UPP, o maior percentual (35,3%) encontrado foi no estágio I e 29,4% no estágio IV. Quanto ao tempo da lesão, 58,8% das UPP haviam surgido há 4 meses. Quanto a dimensão, mais de 40% das lesões tinham mais de 8 cm2 . Em referência às características do leito das feridas, 11 apresentavam mostravam sinais de cicatrização e 6 apresentavam esfacelo ou necrose. Embora 70% da população tivesse risco para UPP, a grande maioria não utilizava as medidas básicas para prevenção da UPP. Em relação ao tratamento, 29,4% citaram o uso de pomadas com antibióticos, medida desnecessária e contra-indicada; 35,3% citaram o uso de coberturas industrializadas e em 4 úlceras foram utilizados produtos sem qualquer evidência, como hipoglós, óleo de amendoim e talco. Considerando as características de cada paciente que apresentou a UPP, como a idade, morbidade referida e escore da Escala de Braden. é possível compreender que os fatores agiram sinergisticamente para o desenvolvimento da lesão e que as medidas que poderiam diminuir o impacto do excesso de pressão, como a redução do tempo em uma mesma posição e o uso de colchão adequado não foram utilizadas com freqüência. A articulação entre os níveis de atenção à saúde é fundamental para esta população, para possibilitar o atendimento integral e contínuo. A construção de redes de apoio entre a família, comunidade e serviços poderá facilitar a resolução dos problemas encontrados.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


SOBEST - Associação Brasileira de Estomaterapia: Estomias, Feridas e Incontinências
Rua Antônio de Godoi, n 35. Sala 102, Centro
CEP 01034-000
São Paulo/SP