Relato de Caso - Cicatrização de Ferida em Mama Masculina por Aplicação de Silicone Líquido – Relato de Caso

Authors

  • Evalda Oliveira Simões Lopes Enfermeira Graduada pela Universidade Federal de Alagoas, Pós-Graduada em Estomaterapia FENSG- UPE.
  • Marialba de Morais Siqueira Enfermeira Graduada pela Universidade Federal de Pernambuco, Pós- Graduanda na modalidade de Residência em enfermagem em Cirúrgica SES-PE .

Abstract

Resumo

Trata-se de relato de experiência sobre o cuidado desenvolvido em cliente do sexo masculino com lesão após aplicação ilícita de silicone industrial na região mamária bilateral, evoluindo para necrose e infecção local. O objetivo foi relatar o tratamento instituído, visando à cicatrização e preparo para a cirurgia reconstrutiva. Os dados evolutivos foram obtidos por meio de registros no prontuário e avaliação fotográfica periódica da ferida, respeitando-se os preceitos éticos. O tratamento tópico baseou-se nos princípios fundamentais do tratamento de feridas e utilização de coberturas adequadas ao processo de cicatrização e controle de infecção. Evoluiu com melhora clínica e laboratorial, resultando na alta hospitalar e seguimento ambulatorial. No sexto dia após a alta, já apresentava tecido de granulação em 100% da lesão, com epitelização de suas bordas. Ao ser encaminhado para avaliação do cirurgião plástico, este optou por aguardar a cicatrização completa. O tratamento tópico utilizado respeitou o processo fisiológico, proporcionando o favorecimento para a cicatrização.Descritores: Cicatrização. Infecção. Curativos oclusivos.AbstractThis is a report of the experience gained from providing care to a male patient with a lesion following the illegal bilateral injection of industrial silicone into the breast region, which progressed to necrosis and local infection. The purpose of this paper was to describe the treatment strategy aimed at healing the wound and preparing the breast region for reconstructive surgery. The data describing the evolution of the case were obtained from medical records and periodic photographs of the wound, respecting the ethical standards. Topical treatment was based on the fundamental principles of wound care and on the use of dressings that promote healing and control of infections. Clinical improvement and favorable laboratory results led to hospital discharge and subsequent outpatient follow-up. Six days after discharge, granulation tissue was present in the whole wound surface and epithelialization of the wound edges was observed. The patient was referred to a plastic surgeon for assessment, who chose to wait for the complete healing of the wound before starting the surgical treatment. The topical treatment adopted was in line with the evolution of physiological process, contributing to wound healing.Descriptors: Healing. Infection. Occlusive dressingsResumenSe trata de un relato de experiencia, sobre el cuidado realizado en un paciente del sexo masculino con lesión después de la aplicación ilícita de silicona industrial en la región mamaria bilateral, el cual se transformó en necrosis e infección local. El objetivo fue relatar el tratamiento aplicado, a fin de favorecer la cicatrización y la preparación para la cirugía reconstructiva. Los datos de evolución fueron obtenidos por medio de los registros en la historia clínica y la evaluación fotográfica de la herida de manera periódica, respetando los principios éticos. El tratamiento tópico fue basado en los principios fundamentales del tratamiento de heridas y utilización de coberturas adecuadas al proceso de cicatrización y control de la infección. Se identificó una evolución favorable clínica que resultó en alta hospitalaria y seguimiento por consultorios externos. Al sexto día después del alta, la herida presentó 100% de tejido de granulación con epitelización. Al ser realizada la interconsulta con el cirujano plástico éste decidió esperar la completa cicatrización. El tratamiento tópico utilizado respetó el proceso fisiológico, favoreciendo la cicatrización.Descriptores: Cicatrización. Infección. Apósitos oclusivos.IntroduçãoBuscando padrão de beleza ideal da época, homens e mulheres, influenciados pelo contexto sócio-cultural, utilizam muitos artifícios e substâncias ilícitas com grau de toxidade elevadas à saúde, para obter o corpo perfeito. Porém, nem sempre essas alternativas são seguras ou livres de complicações. Dentre essas substâncias, o silicone líquido industrial tem sido introduzido no organismo humano de forma clandestina.Entre 1960 e 1970, médicos e leigos de todo o mundo usaram a técnica de injeção de óleo de silicone ou silicone industrial, com o objetivo de aumentar mamas e, também, para melhorar o contorno corporal tanto em mulheres como em homens ou transgêneros. Nessa década, Andrews et al.(apud Dornelas et al 1) publicaram um trabalho mostrando, pela primeira vez, as reações adversas em seres humanos e demonstrando que, após alguns anos, grande parte desses indivíduos evolui com sérias complicações, desde migração do líquido até carcinomas. Dessa forma, esse tipo de material teve o seu uso suspenso pelo FDA americano e pela DIMED no Brasil.Diferentemente das próteses, o silicone líquido, não é envolvido por uma membrana resistente, o que possibilita a sua disseminação pelocorpo, podendo desenvolver um processo inflamatório com necrose da área afetada e evolução para amputação das partes comprometidas, infecção generalizada e, de forma mais grave, até óbito. O processo para removê-lo é muito difícil em função de sua aderência ao tecido e formação de siliconoma, uma espécie de pedra que, na maioria das vezes, sua retirada só é possível através da remoção de parte da pele e tecido conjuntivo envolvido, ocasionando várias deformações2.Tanto para o paciente quanto para a equipe de saúde, a ferida apresenta-se com multiplicidade de problemas que persistem até que a cicatrização seja totalmente alcançada, uma vez que os pacientes são susceptíveis à infecção, tanto local quanto sistêmica, secundária à perda da função de barreira3. Diante dos avanços nas opções de tratamento, a escolha adequada dos curativos requer avaliação acurada e identificação cuidadosa do estágio de cicatrização. Devido aos muitos fatores que podem prejudicá-la, é necessária uma abordagem holística e multidisciplinar4.O presente estudo descreve o caso de paciente do sexo masculino, com ferida atípica em mama, por aplicação ilícita de silicone liquido industrial, internado em instituição pública na cidade do Recife. Assim, o objetivo da publicação foi relatar o tratamento instituído nesse cliente, a fim de proporcionar o favorecimento da cicatrização e cirurgia reconstrutiva.MétodosTrata-se de estudo descritivo, tipo relato de caso, realizado na Clínica Cirúrgica de uma Instituição Pública de alta complexidade, voltada prioritariamente para o atendimento de urgência e emergência, no período de 6/09/11 a 20/10/11. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Otavio de Freitas, processo CAAE nº0058.0.344.000-11, conforme preconiza a resolução 196 /96 do Conselho Nacional de Saúde. Obteve-se ainda o consentimento livre e esclarecido do cliente e assinatura da autorização do termo de imagem. Os dados foram coletados a partir do prontuário do paciente, observação, avaliação e acompanhamento da evolução da lesão.Caso ClínicoJCN tem 28 anos, morador da Zona da Mata Sul- PE, admitido em 3 de setembro de 2011 no Hospital Getulio Vargas- PE, procedente do hospital de sua cidade, após quarto dia da aplicação ilícita de silicone industrial na região mamaria, tendo evoluído com infecção local. Na admissão, o paciente apresentou quadro de ardor intenso, hiperemia, edema, febre, taquicardia, dispnéia e leucocitose. Submetido ao desbridamento cirúrgico, em 4 de setembro de 2011, para drenagem de abscessos bilateralmente e retirada de corpo estranho (siliconomas), com colocação de drenos de Penrose. Encaminhado para a clínica cirúrgica, apresentava processo inflamatório agudo e exsudativo e encontrava-se recebendo antibioticoterapia sistêmica. Em 6 de setembro de 2011, foi solicitada a avaliação da Comissão de Lesão da Instituição. Nessa avaliação, verificou-se presença de lesão atípica em mamas, com edema e rubor em áreas peri-lesões com 95% de esfacelos, exsudato seropurulento em média quantidade e odor fétido. As medidas lineares das feridas eram: 6cm x 9,5 cm na mama direita (D) e 5 cm x 12 cm na mama esquerda (E). À avaliação sugeriu-se a retirada dos drenos de Penrose (Figura1). Para a terapia tópica (TT), utilizou-se hidrogel e espuma de poliuretano com prata, com trocas diárias, sugerindo-se novo desbridamento cirúrgico.
Figura 1. Características da ferida em 6/09/2011.
Após novo desbridamento cirúrgico, em 9 de setembro de 2011, o tecido mamário apresentou bom aspecto, margens bem definidas, área peri-lesão íntegra, com redução do edema, rubor e calor, e exsudato com aspecto serosanguinolento. Nessa avaliação, as medidas lineares foram: 7,5 cm x 15 cm na mama D e 7 cm x 17 cm em mama E (Figura 2). Devido à quantidade de exsudato optou-se, então, pela utilização da hidrofibra com prata, por sua capacidade de absorção vertical 5, mantendo o hidrogel com alginato. As trocas ocorreram de acordo com o nível de saturação e sujidade visíveis, observando-se a cobertura secundária, inicialmente a cada 48 horas.
Figura 2. Características da ferida após novo debridamento (9/09/2011).
Em 14 de setembro de 2011 (80 dia do TT) as lesões apresentaram margens bem definidas, tecido mamário em cicatrização, pouco exsudativas (Figura 3). O cliente evoluiu com melhora clínica e laboratorial, mantendo medidas lineares satisfatórias, o que resultou na alta hospitalar.
Figura 3. Caracteristicas da absorção vertical da cobertura. Alta hospitalar.
Para acompanhamento da lesão, orientouse o paciente a retornar ao ambulatório após seis dias. À consulta, constatou-se 100% de tecido de granulação com margens em epitelização, optandose, então, pela utilização de cobertura impregnada com emulsão de petrolatum, não-aderente e esterilizada, auxiliando na manutenção e controle da umidade e minimizando o trauma ao leito da ferida 6, com trocas a cada 48 a 72 horas (Figura 4). Logo foi encaminhado para a avaliação da cirurgiacicatrização completa.
Figura 4. Medidas das lesões: 5cm x 11cm (mama D) e 4 x 12 cm (mama E).
DiscussãoUma variedade de produtos é capaz de produzir lesões cutâneas. As feridas atípicas são Figura 4. Medidas das lesões: 5cm x 11cm (mama D) e 4 x 12 cm (mama E). aquelas devidas a etiologias pouco comuns, caracterizando-se, portanto, como lesões menos freqüentes e menos compreendidas. Para cuidar desse tipo de pacientes, faz-se necessário tratar a causa subjacente7. Atualmente, para o tratamento tópico de feridas criticamente colonizadas ou com infecção, são indicadas coberturas que contêm antimicrobianos, destacando-se a prata em sua composição. Nesse sentido, no Brasil, estão disponíveis as coberturas de hidrocoloide, carvão, hidrofibra, espuma e a cobertura com prata nanocristalina5.O tratamento tópico inicialmente utilizado no presente caso clínico constou de cobertura de espuma de poliuretano e prata (espuma Ag) que, além de absorver o excesso do exsudato da lesão pelo contato da camada hidrofílica com a ferida, também controla o número de microorganismos de seu leito, em decorrência da liberação da prata de forma sustentada, por até sete dias. Devido à maceração das margens e novo desbridamento cirúrgico, o hidrogel com alginato foi a escolha seguinte, já que o gel proporciona um ambiente que favorece a remoção de áreas necróticas, estimulando o desenvolvimento do tecido de granulação e epitelização; o alginato, por sua vez, aumenta a absorção do exsudato e sua melhor consistência prolonga o tempo de permanência. Quanto à hidrofibra com prata iônica, ela tem em suas fibras, a capacidade de reter umidade verticalmente, o que garante a absorção e retenção do exsudato, enquanto a prata, é disponibilizada para atuar como bactericida. À medida que ocorre a epitelização, o produto se descola das margens sem macerar a pele peri-lesão5. Já, a gaze não aderente manteve a umidade e minimizou o trauma no leito da ferida e área peri lesão6.Não é a presença dos microorganismos, mas sim sua interação com o hospedeiro que determina sua influência na cicatrização de feridas, sendo justificável o uso de curativos com alto potencial cicatrizante e antimicrobiano no controle da infecção 8. O TT instituído favoreceu o controle da carga bacteriana local, reduzindo custo e tempo de internação. Considerações finaisPara as autoras, o presente trabalho ampliou o conhecimento e a experiência com um tipo de ferida pouco freqüente. A literaturarevelou-se escassa no que se refere ao TT de lesão atípica por aplicação ilícita de silicone liquido, requerendo transferência de conhecimentos especializados adquiridos para outros tipos de lesões e respeitandose uma avaliação criteriosa da ferida. Esses princípios levaram ao favorecimento da cicatrização e ao encaminhamento do paciente para a cirurgia reconstrutora, que acabou não ocorrendo tendo em vista as condições satisfatórias e o bom prognóstico de cicatrização alcançado para as lesões mamárias.

Downloads

Download data is not yet available.

References

Dornelas MT, Correa MPD, Barra FML, Junior Sa CAC, Dornelas MC, Sant´anna LL, Netto Gabriel M, Arruda FR. Siliconomas. Rev Bras Cir Plast. 2011;26(1):16-21.

Porcino CA. A percepção das travestis na cidade de Salvador em torno dos riscos no processo de reinvenção do corpo com o uso do silicone industrial. Rev ATLASPSICO 2008. Disponível em: www.atlaspsico.com.br/Revista_ATLASPSICO_11.pdf.

Wainwright DJ. Revisão dos procedimentos cirúrgicos no manuseio de feridas. In: Gogia PP. Feridas: tratamento e cicatrização. Rio de Janeiro: Ed. Revinter; 2003.

Cruzzell J, Krasner D. Curativos. In: Gogia PP. Feridas: tratamento e cicatrização. Rio de Janeiro: Ed. Revinter; 2003.

Gomes FSL, Borges EL. Coberturas. In: Borges EL, Saar SRC, Magalhães MBB. Feridas: como tratar. 2ed. Belo Horizonte: Editora Coopmed; 2008.

Candido LC. Nova abordagem no tratamento de feridas. São Paulo: Editora SENAC; 2001.

Araujo T, Kirsner R S, Feridas atípicas In: Baranoski S, Ayello EA. O essencial sobre o tratamento de feridas: princípios práticos. Lourdes-Portugal: Editora Lusodidáctica; 2006.

Souza AL, Fontes FP, Tonazio CHS, Morita AB, Paula MAB. Úlcera neuropática: cicatrização com cobertura à base de prata. Rev Estima 2011;9(3):35-39.

Published

2013-06-01

How to Cite

1.
Lopes EOS, Siqueira M de M. Relato de Caso - Cicatrização de Ferida em Mama Masculina por Aplicação de Silicone Líquido – Relato de Caso. ESTIMA [Internet]. 2013 Jun. 1 [cited 2024 Apr. 14];11(2). Available from: https://www.revistaestima.com.br/estima/article/view/328

Issue

Section

Article

Most read articles by the same author(s)