Atualização

Authors

  • Elisabete Capalbo Ferolla Enfermeira Mestre pela Escola de Enfermagem da USP. Especializada em Estomaterapia pela Escola de Enfermagem da USP. Hospital Cruz Azul de São Paulo.

Abstract

Dispositivo Uretral Externo: Masculino

A incontinência urinária traz ao individuo importantes repercussões físicas e sociais. O paciente, quando procura um profissional da saúde, já esta convivendo com as consequências desta situação e pode sentir-se embaraçado, aceitando-a como um processo normal do envelhecimento, ou por alguma limitação física/clínica. Quando a incontinência é irreversível, uma opção bastante comum tem sido a indicação do uso do dispositivo uretral externo, para o sexo masculino, que auxilia de forma satisfatória o manejo das perdas urinarias.Os dispositivos devem ser selecionados cuidadosamente e somente após uma avaliação criteriosa do profissional especialista podem ser indicados. Esta avaliação devera incluir o tipo de incontinência urinaria idade, estado sensorial e cognitivo, acuidade visual, mobilidade, destreza, motivação, tamanho do pênis, função fisiológica e condições de pele.Os dispositivos estão indicados quando ocorrem alterações na eliminação vesical, hiperreflexia do detrusor, dissinergia esfincteriana, esfincterectomia ou incompetência do esfíncter, e portadores de feridas na região sacral e perineal.Os dispositivos uretrais externos têm sido manufaturados em látex (borracha purificada, considerada material macio), no entanto, a sensibilidade e a alegria foram uns dos fatores que contribuíram para a produção de cateteres não látex (silicone-material muito macio que causa mínima irritação uretral) sendo os mais comumente usados os auto aderentes, com 1 peça, e os de 2 peças, com tira de hidrocoloide dupla face.Látex, não látex auto-aderente com 1 peça- Sua superfície interna contem uma cada com adesivo antialérgico que protege a pele do pênis, promovendo aderência sem irritação. Possui um aplicador descartável, permitindo sua colocação com facilidade, e uma lingueta plástica que auxilia o desenrolar do dispositivo sobre o pênis.Vantagens: pode ser aplicado sem tocar o pênis, segurando-o pelo aplicador descartável, o que dispensa o uso de luvas.Não provoca vaso constrição, devido a sua flexibilidade.Látex, não látex 2 peças com tira de hidrocolóide dupla face – O dispositivo externo acompanha uma tira composta por hidrocolóide, tendo como principais características a elasticidade e vários graus de memoria (capacidade de retornar á forma e tamanho original), o que impede o garroteamento e isquemia em casos de ereção.Vantagens: tira adesiva com dupla face, flexível e macia, que previne irritações e macerações na pele, evitando, assim, traumas durante a remoção do cateter; permite a função fisiológica do pênis sem provocar complicações; dispensa o uso de fitas adesivas; a fita de hidrocoloide é de fácil remoção, indolor e não deixa resíduo.Principais cuidados:Durante a consulta de enfermagem deve-se destacar as orientações ao paciente e cuidados quanto às condutas a serem seguidas para a otimização do uso dos dispositivos externos, dentre elas, podemos citar:

 -a escolha do dispositivo ideal, bem como a bolsa coletora de perna, confeccionada com tecido macio, recobre a face posterior, evitando, dessa forma, alergias e transpiração, quando em contato com a pele; válvula anti-refluxo, objetivando a prevenção da obstrução do fluxo urinário e subsequente vazamento e fitas ajustáveis para instalação segura que garante conforto ao paciente;- manutenção da integridade da pele, deixando-a seca e livre de pelos. Ficar atendo a complicações como eritema, macerações e ulcerações; - utilizar sistema 2 peças (dispositivo e fita dupla face com hidrocoloide) quando houver ulcerações na pele do pênis, o qual promovera a recuperação da pele sem necessidade de suspender o uso do produto;- mensuração do diâmetro do pênis, realizada através de medidor especifico, que auxilia na escola do tratamento do dispositivo;- realizar higiene do órgão genital diariamente, com subsequência troca do dispositivo.- Conhecer tais recursos, saber manuseá-lo e indica-los, são condições imprescindíveis para oferecer uma assistência diferenciada, mostrando ao cliente melhores opções para o manuseio da incontinência urinaria.


Downloads

Download data is not yet available.

References

Fant jA, Neuman D K, Colling J, et al. Urinary incontinence in adults: acute and cronic management. Clinical Practice Guideline, Nº 2, 1996. Update. RockVille, M D: US Department of Health and Human Services. Public Health Service, Agency for Health care Police and Research; 1996 (APCPR Publication Nº 96-0682).

Gray M.et al. Management of urinary incontinence. In: Dought DB. Urinary and fecal incontinence nursing management. St. Louis, Mosby, 1991. Cap. P.95-150.

Fiers S, Thayer D. Management of intractable incontinence. In: Doughty D. Urinary and fecal incontinence: nursing management. 2ª ed. Mosby, 2000.p. 183-207. Mandelstam,D> Protective equipment.In: Mandelstam. Understand incontinence. A guide to the nature and management of a very common complaint. Chapman and hall, London; 1989. P.47-55.

Hixon, A.; Giroux, j. Joseph, A. et al. Nursing Clinical Guideline Neurogenic Blader management. SCI Nurs. 1998; 15(2): 23-31.

Azevedo, R.G. Cateteres vesicais Estima Sobest Ostomias Feridas Incontinências 1 (2):46-7, jul/ago/set/,2003.

Published

2005-03-01

How to Cite

1.
Ferolla EC. Atualização. ESTIMA [Internet]. 2005 Mar. 1 [cited 2022 Aug. 16];3(1). Available from: https://www.revistaestima.com.br/estima/article/view/166

Issue

Section

Article

Most read articles by the same author(s)